fale conosco pelo
WhatsApp
WEB

Qual a diferença de ser autônomo e ter um CNPJ como Arquiteto?

Muitos arquitetos possuem receio ao tomar a decisão de criar um CNPJ: “será que vale a pena?”

Para formalização de um negócio, seja ele qual for, é importante saber quais são os custos inerentes à essa decisão, rotina de pagamentos e principalmente, se compensa financeiramente (tecnicamente chamamos de viabilidade financeira).

Existem alguns casos onde, no Brasil, não há viabilidade financeira para abrir uma empresa formalmente e, dependendo do caso, também não compensa.

Existe uma grande diferença entre viabilidade financeira e comparativo financeiro. Vejamos:

A viabilidade financeira ocorre quando você já fez todas as contas para saber quanto custa abrir um CNPJ, sabe também o que terá que pagar após a abertura de um CNPJ e mesmo assim isso está dentro do seu orçamento. Isso é viabilidade financeira, ou seja, é POSSÍVEL arcar com isso sem prejudicar o meu fluxo de caixa.

Agora, quando você possui duas opções para decidir qual é melhor, estamos falando de comparativo financeiro.

Neste sentido, as empresas de arquitetura que querem se formalizar perante os órgãos governamentais, é importante entender as 2 premissas: se possui viabilidade financeira e se foi concluído o comparativo financeiro.

Feito este estudo, comparamos a situação atual com a situação de empresário formalizado, identificando a diferença financeira que haverá para então a tomada da decisão.

Quando são arquitetos autônomos, que pagam seus impostos via RPA (Recibo de Profissional Autônomo) até compensa permanecer dessa forma se tiver um limite de faturamento mensal (de acordo com os encargos atualizados). Mas, em um dado momento, ter um CNPJ será a melhor saída para se manter formalizado e tendo economia financeira!

Entenda:

Quando abrimos um CNPJ temos diversos custos inerentes a esta decisão, como já abordado no artigo anterior. Então para valer a pena ter um CNPJ e honrar com todos os compromissos dessa formalização, o seu faturamento deve ser mais atrativo.

Isso porque, mesmo com o custo de contador, prefeitura, certificados e impostos, a alíquota do Simples Nacional é muito menor do que a alíquota de um profissional autônomo que declara suas rendas direto na fonte (IRPF).

(exemplo: alíquota no IRPF/RPA a partir de 9% segundo a tabela atualizada de IRPF / alíquota no simples nacional a partir de 4,5%… faça as contas!)

Agora, se o arquiteto está completamente informal, ou seja, não tem CNPJ mas também não registra seu faturamento via RPA, entende-se que o custo dele com a empresa é zero! Neste sentido, pode-se pensar que abrir um CNPJ é um custo totalmente absurdo em face ao que o profissional tem hoje.

CUIDADO ao ter esse tipo de reflexão e decisão. Pois, na informalidade você não tem benefícios fiscais, não possui segurança de profissionais para o seu negócio e corre-se um grande risco de ser fiscalizado, multado e prejudicado em sua profissão… mesmo tendo uma economia financeira ilusória.

Eu concluo este artigo te trazendo uma provocação: não se compare com uma empresa de CNPJ ativo sendo um profissional informal. Senão, você nunca vai querer abrir uma empresa.

Se compare caso você seja um profissional autônomo! Somente assim poderá tomar uma decisão mais assertiva financeiramente em relação a este tema.

Artigos

Como organizar um escritório de arquitetura?
Organizar um escritório de arquitetura de forma eficiente envolve várias etapas e considerações. Aqui estão algumas dicas detalhadas para ajudar na organização: 1. Planejamento Inicial…
Como montar um escritório de arquitetura?
O grande pensamento de quem se forma em arquitetura é, sem dúvidas, abrir seu próprio negócio e começar a atender clientes, projetar sonhos e ter…
Qual a diferença de ser autônomo e ter um CNPJ como Arquiteto?
Muitos arquitetos possuem receio ao tomar a decisão de criar um CNPJ: “será que vale a pena?” Para formalização de um negócio, seja ele qual…
Entenda os direitos autorais na Arquitetura: Protegendo sua criatividade e propriedade intelectual
Os direitos autorais desempenham um papel vital na proteção da criatividade e inovação no desenvolvimento dos projetos. Compreender como esses direitos funcionam é essencial para…
Rescisão Contratual entre arquiteto e cliente: Como evitar um processo judicial?
A rescisão contratual entre um arquiteto e seu cliente pode ser uma situação desafiadora, mas é possível evitar um processo judicial longo. Neste artigo, exploraremos…
Arquiteto: Como proteger seu escritório e projetos
Como profissionais da arquitetura, os profissionais enfrentam uma série de desafios legais e regulatórios em sua prática diária. Desde questões contratuais até conformidade com regulamentos…
Abri um CNPJ de arquitetura, e agora?
Você que é arquiteto e gostaria de abrir um CNPJ precisa estar ciente do que está por vir com essa decisão. Para formalização de um…
Como incluir os impostos na proposta comercial de arquitetura e designer de interiores?
Para a maioria dos arquitetos e designers de interiores é uma grande dificuldade a inclusão de impostos em seu valor de proposta, com o objetivo…
OAB/SP 428.659

Primeira Advogada Especializada na aplicação
do Direito na Construção Civil

+ 55 11 979693215
Atendimento das 9h às 18h

advogada@beatrizalvarenga.com.br

Entre em contato

Desenvolvido por Alexandre Custódio